coiso - cansado

O coiso, o calote, as rachadinhas e a falta de tudo: o Brasil cansado

cansadoO coiso, ao tentar defender o indefensável filho “rachador” 01, fez graves insinuações a respeito do Ministério Público carioca, o responsável pelas apurações  do “Little cracked affair”. Perguntou se o MPRJ investigaria o filho de um de seus integrantes da cúpula da instituição  acusado de tráfico de drogas. Disfarçou dizendo que se tratava de “caso hipotético”. “O que aconteceria, MP do Rio de Janeiro? Vocês aprofundariam a investigação ou mandariam o filho dessa autoridade para fora do Brasil e procurariam maneira de arquivar esse inquérito?”

 “Caso hipotético, vamos deixar claro. Caso um filho de uma autoridade entrasse num inquérito da Polícia Civil do Rio e aí um delator tivesse falado que ele participava de tráfico internacional de drogas. O que aconteceria?”.

A resposta do MP não tardou: “Caso o Presidente da República ou qualquer outra pessoa vislumbre desídia, favorecimento ou prevaricação por parte de membro do MPRJ deverá provocar a atuação dos órgãos de controle da instituição, entre eles o Conselho Nacional do Ministério Público e a Corregedoria-Geral do próprio MPRJ. (…). “A fala do Presidente da República (31/12) não altera em nada as investigações em curso” e reforçou que “a instituição atua de forma técnica, ética, com observância aos princípios constitucionais e legais e com absoluta discrição”.   

O coiso, certamente, confundiu o funcionamento do MP com o de seu entorno.

Completando a série de paspalhices, boquejou que “Parte dos brasileiros não está preparada para fazer quase nada, diz Bolsonaro sobre desemprego”. Enganou-se mais uma vez, a parte não preparada está empregada, ganhando bem para não fazer nada ou, pior, besteiras, seus componentes ocupam cargos no governo.

O mau militar, na definição de Ernesto Geisel, um dos ditadores militares, de volta do descanso que deu ao país ao ficar longe do Palácio do Planalto por quatro dias, declarou aos ceguetas que ainda o esperam no “cercadinho” – ou chiqueirinho…? – que “Chefe, o Brasil está quebrado, e eu não consigo fazer nada. Eu queria mexer na tabela do Imposto de Renda, teve esse vírus, potencializado por essa mídia que nós temos. Essa mídia sem caráter. É um trabalho incessante de tentar desgastar para tirar a gente daqui e atender interesses escusos da mídia”.

O problema foi mal colocado, conseguiu fazer mas só bobagens. Se está quebrado por que encher o governo com militares inúteis? Por que comprar satélite que o Inpe declarou ser inadequado para o fim pretendido? Por que investir em submarinos que já estarão ultrapassados quando forem lançados? Por que desperdiçar dinheiro criando a Escola Superior de Defesa cujo único resultado será a produção de um monte de Pazuellos?

A Folha de S.Paulo (4) publicou, na página A3, artigo de autoria de Ricardo Barros, o   deputado federal líder  do coiso na Câmara dos Deputados. Em mais uma prova de que papel aceita tudo, propõe, com apoio de seus companheiros corruptos, um plebiscito para a aprovação de uma Assembleia Constituinte para a feitura de uma nova Constituição. Mas, fica evidente entre todas as teses apresentadas a principal que motiva o desejo de modificar a atual Carta, o medo que ele e todos os da sua laia têm  do poder   investigativo do Ministério Público, querem diminuí-lo, controlá-lo, para que possam continuar tranquilos nas suas escaladas na podridão.

Não custa lembrar que o candidato favorito do coiso para comandar a Câmara Federal é Arthur Lira, que já foi condenado na área cível pela prática habitual da famiglia, a rachadinha, quê,  ao aceitar um acordo com a Receita Federal para pagar o imposto devido sobre o resultado dos achaques, admitiu que cometeu o crime de se apropriar de parte do salário de servidores da Assembleia Legislativa de Alagoas.

O disfarçado e oportunista apoiador do coiso nas últimas eleições gerais, o governador de São Paulo, João Doria, mostra, mais uma vez sua incompetência e hipocrisia, características marcantes na sua infeliz para a cidade passagem pela Prefeitura paulistana. Aumentou os impostos sobre alimentos, remédios, taxa de licenciamentos de veículos, é cúmplice do prefeito Bruno Covas no fim da gratuidade nas passagens de transporte público para pessoas com idade entre 60 e 65 anos e mente ao dizer que não fez aumentos. O editorial do Estadão (5), pág. A2, comprova a mentira: “Insensibilidade assustadora”

https://opiniao.estadao.com.br/noticias/notas-e-informacoes,insensibilidade-assustadora,70003570802

 O Congresso argentino aprovou a legalização do aborto até 14ª semana de gestação, ficando a decisão única e exclusivamente a critério da mulher. É sempre bom lembrar que aborto não é método anticoncepcional, trata-se da eliminação de um ser vivo, o quê, na opinião deste digitador, é uma medida drástica que só deve ser adotada em casos extremos como gravidez oriunda de estupro, risco da vida da gestante ou feto com problemas gravíssimos. Que fique bem claro, não há viés religioso na opinião, não se trata de ser contra ou a favor, é simplesmente a discordância de eventual banalização de decisão tão grave.

Entre as regras que mais atrapalham os escribas estão as que regem o uso de crase – esta mereceu até um chiste de Ferreira Gullar, “a crase não foi feita para humilhar ninguém” – hífen e concordância gramatical. Caras-pálidas põem crase antes de masculino, usam a contração no singular antes de palavra no plural e por aí vai. No caso do hífen, o que já não era claro antes da reforma ficou mais obscuro, principalmente pelo fato de que escribas não diferenciam léxico de ortográfico, este informa a grafia correto, aquele, o significado, em caso de dúvida há que consultar os dois.  São casos atrapalhativos, por exemplo salário mínimo e benfeito. O salário insuficiente para as necessidades básicas não leva o adereço, já o infeliz que recebe a minguada paga é agraciado com o substantivo salário-mínimo, devidamente hifenado. No caso de benfeito, trata-se de adjetivo, um trabalho benfeito. Mas, porém , contudo, todavia, se for “o trabalho foi” usa-se bem feito, separado e sem hífen, locução adverbial exigida pelo verbo. E, por último, a torturante concordância que exige Tico e Teco despertos. É comum ler a frase “o Brasil está entre os países que não ‘paga’ seus compromissos com a ONU”. Se os neurônios estivem em atividade o cara-pálida inverteria a frase e, quem sabe, perceberia o erro crasso, “Entre os países que não ‘pagam’ etc.”, simples assim.

 Na verdade, o Brasil é o único país que não pagou a penúltima prestação do aporte devido ao Banco do Brics. Em vista do calote, o Brics, está no contrato, terá de comunicar às agências de classificação de risco, detentores de títulos e parceiros internacionais  o não pagamento.

Agora, além afamado  criminoso ambiental, o país desgovernado pelo coiso entra no rol dos caloteiros.

(CACALO KFOURI)

                                                              ***************

Um perfil do ídolo do coiso às vésperas do apeamento:

                                                              ***************

Rir é o melhor remédio (depois da vacina, é claro)

                                                              ***************

Copiadas da Folha

 Governo teme que veto da Índia afete importação da vacina de Oxford pelo Brasil

O risco de que a Índia vete exportações de vacinas contra a Covid-19 lançou dúvidas sobre o impacto na importação pelo Brasil de 2 milhões de doses da vacina da Universidade de Oxford/AstraZeneca.

As doses deveriam ser entregues pelo Serum Institute, um dos centros de produção da vacina no país asiático. No domingo (3), porém, o CEO do instituto, Adar Poonawalla, disse à Associated Press que a Índia não permitirá a exportação nos próximos meses das doses da vacina de Oxford que produzirá.

A situação levou a Fiocruz, que articula a importação em conjunto com a AstraZeneca, a acionar o Ministério das Relações Exteriores para tentar garantir que o lote chegue no Brasil até 20 de janeiro.

Shiva Vixi, acionar o Itamaraty de Ernesto Araújo aumentaria o risco, não o diminuiria. Mas, graças a Shiva, os indianos mudaram de ideia:

 “Após falar em veto da Índia, fabricante diz que vacinas podem ser exportadas”

 Em votação apertada, PT decide apoiar Baleia Rossi, candidato de Maia, na eleição da Câmara

Em reunião da bancada feita por videoconferência, a maioria dos deputados petistas votou pelo apoio ao candidato emedebista. O placar, no entanto, foi apertado: de 27 votos a favor e 23 por uma candidatura própria ou por mais tempo para discussão.

Melhor assim, mas o resultado indica que a prepotência e a falta de bom senso ainda têm muita força no partido. E há que torcer para que ninguém entre os 23 eventuais ajudantes de uma vitória de Arthur Lira quebre a fidelidade partidária, a votação é secreta.

Superintendente do Incra acusado de desrespeitar regras sanitárias morre de Covid-19

Denunciado ao Ministério Público do Trabalho e à ouvidoria do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) sob a acusação de desrespeitar as normas sanitárias de prevenção ao novo coronavírus e de colocar a vida de servidores em risco, o presidente da autarquia no Rio Grande do Sul, Tarso Teixeira, morreu na manhã desta segunda-feira (4), vítima da Covid-19.

Papai do Céu, às vezes castiga… Às vezes porque muitos piores do que ele escaparam…

                                                              ***************

Copiada da Coluna JOSMAR JOZINO

Acusado de lavar dinheiro de André do Rap, do PCC, tira foto com Bolsonaro

O empresário Fredy da Silva Gonçalves Bento, 37, investigado pela Polícia Civil por suspeita de lavar de dinheiro para o narcotraficante André Oliveira Macedo, 43, o André do Rap, integrante do PCC (Primeiro Comando da Capital), tirou foto com o presidente Jair Bolsonaro em partida de futebol beneficente no último dia 28, na Vila Belmiro, em Santos (SP).

Qual a surpresa, é especialidade da famiglia.E já que o assunto veio à tona, por que Queiroz depositou R$ 89 mil na conta de Michelle coiso?

                                                             ***************

Copiada do G1

 Justiça determina, pela 2ª vez, que Ministério da Saúde informe se feijão do Pastor Valdemiro Santiago cura Covid-19

Juiz federal de SP mandou governo federal informar na internet se há eficácia em alimento oferecido pelo pastor Valdemiro Santigo por R$ 1 mil a semente. MPF diz que União não cumpriu decisão de outubro e que caso é propaganda enganosa.

Seria mais eficiente se o juiz determinasse exame de sanidade mental de quem cai nesta, o pastor está só tentando comprar mais um aviãozinho de R$ 35 milhões, coitado.

                                                                 ***************  Feijao

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter