valeu - cpi

Pra que serviu a CPI? Por José Horta Manzano

 

valeu - cpi

Excursão à Europa

Depois de deixar a embaixada pela porta dos fundos, Bolsonaro dá seu passeio turístico pelas ruas de Roma, sempre rodeado por pequena multidão de apoiadores descontraídos e sorridentes.

[30 out° 2021]

 Faz quase 3 anos que nos acostumamos a ter na Presidência um sujeito de poucas qualidades e muitos defeitos. Fanfarrão, boca-suja, despreparado, desfocado, misantropo, debochado, ignorante, covarde, egoísta, mentiroso – são seus desarranjos mais amenos. Os mais pesados teriam de ser descritos com palavrões impublicáveis.

É impressionante como a gente acaba se habituando a uma realidade trágica. E isso tinha de acontecer logo no Brasil, país tão carente de um personagem esclarecido, bem-intencionado e de mão firme para dirigir a República. E tinha de acontecer justo durante o maior desastre sanitário desde a Gripe Espanhola, de 1918.

Que remédio? É nossa sina. Desde que o velho FHC desceu a rampa, já lá se vão 20 anos, nossos presidentes têm sido assim: uns mais empacados, outros menos, mas todos desligados do Brasil real, distantes das necessidades verdadeiras da população. Tem sido um desfile de indivíduos indignos de presidir o país, principalmente porque nossa Constituição concentra tamanho poder decisório nas mãos de um indivíduo só.

A gente sempre espera que o próximo será melhor. “Desta vez, vai!” – é a torcida de todos. No entanto, ai de nós todos, tirando a devoção cega que uma minoria de eleitores possa ter por este ou aquele, há que constatar: é um pior que o outro.

Só que, desta vez, com Bolsonaro, atingimos o ápice, o cúmulo, o topo, o nec plus ultra – impossível ir mais longe. (Pelo menos, é o que se espera; há gente pior, mas vamos torcer para que nunca sejam eleitos para a Presidência.)

Há quem acredite que a CPI da Covid não serviu pra nada. Não é minha opinião. Ela serviu para reafirmar – de papel passado e com firma reconhecida –, o que todo o mundo já sabia sobre o governo do capitão. Pra reforçar, ainda apareceram mais podres, como o Ministério da Saúde envolvido em negociata com vacinas, um episódio de corrupção explícita do governo Bolsonaro. A corrupção à la Bolsonaro, que antes era apenas suposição, tornou-se realidade fática.

A notícia atravessou as fronteiras. O mundo inteiro agora conhece a verdadeira face da sinistra farsa que se desenrola nos palácios de Brasília. De passeio em Roma para ouvir o discurso dos grandes dirigentes mundiais na reunião do G20, o popular capitão teve de deixar a embaixada do Brasil pela porta dos fundos. Na entrada principal, estavam jornalistas e manifestantes contrários à sua presença. Nem Dilma, nos piores momentos de seu desastrado governo, teve de passar por esse tipo de vexame. O homem só sai à rua cercado por uma vintena de seguranças tipo dois por dois.

Aos olhos do mundo, o Brasil, como nação, continua firme e forte. O mundo compreende que, ao eleger Bolsonaro, os brasileiros deram um pulo no escuro. Se o eleitorado soubesse, na época, o que se sabe hoje, o capitão jamais seria eleito. Este blogueiro, que acompanha diariamente o que se diz no exterior sobre o Brasil, tem se dado conta de que a imagem do presidente se descola cada dia mais do povo brasileiro. A opinião pública mundial aprendeu a fazer a diferença entre o desvairado dirigente e o povo, que é obrigado a suportá-lo. Guardando as devidas proporções, a situação é comparável ao que ocorre atualmente no Afeganistão: o povo é visto como vítima dos talibãs, não como cúmplice.

Há potentados pouco recomendáveis no mundo. Eu não poria a mão no fogo por gente como Putin (Rússia), Lukachenko (Bielo-Rússia), Kim Jung-il (Coreia do Norte), os bondosos irmãos Castro (Cuba), Maduro (Venezuela), Erdoğan (Turquia) & outros. Mas, no fundo, o que é que o mundo sabe deles? Pouco, muito pouco. Quase nada.

No caso de Bolsonaro, depois do relatório final da CPI, é diferente. Afinal, o inquérito não foi instruído por revolucionários juvenis, mas por senadores da República, eleitos pelo povo. Durante meses, as manchetes da imprensa mundial fizeram eco aos depoimentos e às acusações da CPI. Ninguém mais pode dizer que não sabia. Agora, terminados os trabalhos, o Brasil não será mais o mesmo.

Todos nós sabemos. E o mundo também.

__________________________________________________________

JOSÉ HORTA MANZANO – Escritor, analista e cronista. Mantém o blog Brasil de Longe. Analisa as coisas de nosso país em diversos ângulos,  dependendo da inspiração do momento; pode tratar de política, línguas, história, música, geografia, atualidade e notícias do dia a dia. Colabora no caderno Opinião, do Correio Braziliense. Vive na Suíça, e há 45 anos mora no continente europeu. A comparação entre os fatos de lá e os daqui é uma de suas especialidades.

______________________________________________________________________

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Assine a nossa newsletter