O goleiro Max Walef

Banks, goleiro do Fortaleza. Blog do Mário Marinho

O goleiro Max Walef

O Corinthians recebeu o Fortaleza ontem domingo, na Arena Neo Química, e passou apertado.

Nos primeiros dez minutos, ao se lançar ao ataque com muita vontade, o Timão até deu a impressão de que chegaria com facilidade à vitória.

Porém, na sequência, o Fortaleza dominou e só não chegou a marcar o seu gol graças à falta de pontaria de seus atacantes e à boa atuação do goleiro Cássio.

Até que o Corinthians marcou seu gol aos 9 minutos, mas o juiz anulou porque a bola tocou no braço do atacante Júnior Moraes.

Dez minutos depois foi a vez do Fortaleza marcar e ter seu gol anulado por impedimento.

No balanço do primeiro tempo, o Timão chutou apenas uma vez em direção ao gol adversário, enquanto o Fortaleza chutou 11, sendo  5 com direção certa ao alvo.

No segundo tempo, o Timão voltou com mais disposição e aos 9 conseguiu o seu gol, marcado contra pelo zagueiro Matheus Jussa.

Embora em tamanho menor, o domínio do Fortaleza continuou.

Mas, numa dessas raras oportunidades, o Corinthians quase marcou o seu segundo gol.

Na cobrança de escanteio, o zagueiro Gil subiu e cabeceou a bola no canto esquerdo do goleiro do Fortaleza.

Numa defesa simplesmente espetacular, o goleiro Max Walef se esticou todo para tocar na bola que ainda tocou na trave. Com incrível agilidade e ainda caído, Max socou a bola com a mão direita, afastando perigo.

Veja o lance.

https://youtu.be/ljHgdtgb_UY

Imediatamente esse blog começou a receber postagens exaltando o goleiro e comparando sua defesa ao do goleiro inglês Gordon Banks, em cabeçada de Pelé, na Copa de 1970, no México.

Veja o lance.

https://youtu.be/Qx7DXUH9Ek8

São duas defesas espetaculares, incríveis e em momentos importantes do jogo.

A defesa de Max Walef já esta sendo chamada de a defesa do ano – o que não é muito coisa pois o ano ainda está começando, principalmente ano do futebol.

Mas foi uma defesaça e impediu que seu time se mantivesse ativo na busca do gol adversário que acabou não se concretizado.

No caso de Banks, sua defesa também não livrou seu time da derrota (o Brasil venceu por 1 a 0, gol de Jairzinho), mas recebeu o título de “A Defesa da Copa” e, pouco depois, “A Defesa do Século”.

Reveja o vídeo.

https://youtu.be/fORTw0DDdI0

Pelé era um exímio cabeceador (aliás, foi exímio em tudo dentro de campo). Ele sobe mais que o seu marcador, prepara-se para a cabeçada, acerta bola em cheio, em direção ao gol, de cima para baixo. A bola quica a centímetro da linha fatal e sobe para transpor essa chamada linha faltal. É quando a providencial  (para os ingleses) a mão salvadora do elástico Banks que manda a bola para escanteio.

Um milagre.

Gordon Banks, que nasceu em 30 de dezembro de 1937, defendeu a Seleção Inglesa de 1963 a 1972.

Na época da Copa do Mundo, ele era jogador do pequeno Stoke City, o mais antigo time de futebol da Inglaterra, fundado em 1863, em atividade até hoje..

Banks morreu em 12 de fevereiro de 2019, aos 81 anos.

E, num jogo em que o Corinthians jogou mal, embora tenha melhorado no segundo tempo, o placar poderia ter sido, pelo menos por 2 a 0.

Não fosse o goleiro Max Walef que, no domingo, teve o seu dia de Gordon Banks.

______________________________________________________________

Mário Marinho – É jornalista. É mineiro. Especializado em jornalismo esportivo, foi FOTO SOFIA MARINHOdurante muitos anos Editor de Esportes do Jornal da Tarde. Entre outros locais, Marinho trabalhou também no Estadão, em revistas da Editora Abril, nas rádios e TVs Gazeta e Record, na TV Bandeirantes, na TV Cultura, além de participação em inúmeros livros e revistas do setor esportivo.

(DUAS VEZES POR SEMANA E SEMPRE QUE TIVER MAIS NOVIDADE OU COISA BOA DE COMENTAR) ____________________________________________________________________

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Assine a nossa newsletter