conversas

Conversas de 1/2 minuto. Por José Paulo Cavalcanti Filho (12)

Mais conversas de livro que estou escrevendo (título da coluna).

conversas

 

FLÁVIO BRAYNER, filósofo. Colégio São Luiz. Professor de História, na prova, uma questão perguntava o significado da palavra sesmaria (área de terras, destinada à agricultura, que o governo português cedia para povoar o Brasil). Resposta

– As seis marias eram três: Santa Maria, Pinta e Niña.

E quase que o pobre aluno foi reprovado, por ele, no fim do ano.

 JARBAS VASCONCELOS, governador. Marqueteiros de São Paulo apresentaram campanha, já pronta, para a Prefeitura do Recife. Camisetas, santinhos e enorme outdoor com o lema “Jarbas, o coração tem razões que a própria razão desconhece”. Aproveitando a bem conhecida música de Marino Pinto (Aos Pés da Cruz). Pediram opinião dos presentes. O cartunista Lailson, gênio da raça, subiu no palco, tirou do bolso o lápis que sempre leva consigo e, por baixo do outdoor, grafitou o complemento da letra: “Faz promessas, e juras, depois esquece”. Jarbas nem discutiu,

– Campanha cancelada.

MARCEL MORIN, cônsul da França no Recife. Fernando, filho do comendador Jordão Emerenciano, reclamou

– Não aguento mais esse amigo de Arraes. Só me chama de Fernanda. Já expliquei mil vezes que é com “o”, e ele continua Fernanda prá cá, Fernanda prá lá. Na próxima, vou mandar ele tomar no rabo.

Como por conspiração do Destino, precisamente neste momento, o velho gritou

– Fernanda, Fernanda, eu querer uma copa d’água.

– Morin, por favor, vai tomar na cuzinha!!!

E o cônsul não entendeu. Ainda bem.

RUY BARBOSA, a Águia de Haia, da ABL. Usava pince nez, aquele óculos sem haste que fica preso no nariz. Problema é que tinha o costume de marcar os livros que lia, com ele; e, quando fechava, não sabia mais onde o tinha posto. Na preparação de seu inventário, perdidos dentro, acharam mais de 40. Naquele dia, saiu de casa sem os tais óculos, digamos assim. Essa e tantas outras vezes. Vinha vindo a condução e não conseguia saber para onde iria. Perguntou a uma gorda, que estava no ponto,

‒ O que diz a placa?

‒ O senhor me desculpe, mas eu também sou analfabeta.

 SERGINHO, filho e Master on Law (Cyberlaw) por Harvard. Tentando explicar ao pai, que nunca bebeu álcool na vida,

– Sabia que há oito tipos diferentes de vinho?

– Pelo que vejo com vocês, meu filho, são só três: os caros demais, os que dá para beber e os que não vale a pena.

 ZECA, da banca Globo (em frente ao antigo cinema Trianon).

 – Tem a Folha (de São Paulo)?.

– Acabou.

– E o Brasil (Jornal do Brasil)?

– Estamos chegando lá.

__________________

Não deixe de ler:


José Paulo Cavalcanti FilhoÉ advogado e um dos maiores conhecedores da obra de Fernando Pessoa. Integrou a Comissão da Verdade. Vive no Recife.

jp@jpc.com.br

1 thought on “Conversas de 1/2 minuto. Por José Paulo Cavalcanti Filho (12)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter