loucos dias de setembro

Os nossos loucos (primeiros) dias de setembro. Por Marli Gonçalves

O que será, que será? Posso quase apostar que muito barulho por nada, que vão dar com os burros n`água. Sempre aprendi que cão que muito ladra fica rouco e não morde. Poderemos esperar, contudo, que uma primavera floresça – sementes também têm surgido em meio a esse setembro que já chegou, veio se esgueirando entre tantas ameaças. O golpe deles já foi esse: exatamente como queriam, passamos os últimos dias falando dessa gente, de suas ameaças e boquirrotices.

loucos dias de setembro

Nem contamos até 10 – nem precisa, porque já andavam armando confusão desde bem antes deste mês. Coisa chata, como se não tivéssemos tanto a resolver no nosso dia a dia. Como se o país estivesse a mil maravilhas e não com uma inflação galopante e ameaças reais, as de falta de água, de energia, de saúde, vacinas, e tudo o mais.

Mas setembro chegou e com ele umas luzes poderosas que ainda podem realmente mudar algo, se forem coesas. Vindas da total perda de paciência com o desgoverno e inquietude agora bastante expressa objetivamente pelos empresários líderes dos principais setores da economia, surpreendentemente até do agronegócio, que souberam até afugentar e se sobrepor aos medrosos que pularam fora com medo de puxão de orelha e bicho-papão. Os que ficaram firmes em seus manifestos sabem que tudo vai melhor com democracia e paz. Claro, sempre melhor para eles, diga-se de passagem. Mas têm poder.

Quando até os bancos e banqueiros se mexem, o sinal está claro. E de qualquer forma ele ainda está fechado para nós, os que assistimos ainda inertes ao andamento desse espetáculo deplorável, o momento da política nacional que tanto nos fraciona, estilhaça; não é mais nem que nos divide, porque agora tem de um tudo.

Tem os adoradores, os que antagonizam, com seus erros de cada lado. Adoradores! Seja de um, seja de outro, se me entendem. Aí não tem conversa, nem explicação, apenas uma espécie de amor platônico. Precisam de um paizinho que os guie, acima de tudo, seja o que fazem ou fizeram, mesmo que tenha sido em situações justamente que nos levaram ao desastre atual.

Entre os adoradores estão os que ainda não conseguem perceber ou já estão se dando muito bem com o fundo do poço; tem os que pensam igual, e sonham dia e noite, rezando ou não, para que retrocedamos em tudo ao século passado no que ali havia de pior, de atrasado. Do outro lado, os que ainda não admitem qualquer outra nova possibilidade, mesmo que próxima do razoável para unir – só enxergam um homem, sua barba e, ultimamente, também as suas coxas firmes. Tudo bem, vai, que ninguém mais pode fazer tanto mal quanto o atual perturbador geral da Nação está fazendo.

Perigosos, nessa miríade há os que acham que estão, como meu pai diria, por cima da carne seca, sendo que no fundo estão é como nós, à mercê de tudo de ruim. São os que – só pode ser – cegos e surdos, mantêm-se ocupados em se desfazer de informações sérias, da imprensa, que xingam cada vez que esta os chama à realidade. Gostam das mentiras que os alimentam, e imaginam uma Pátria toda verde e amarela, não gentil, armada, onde pensam que um dia poderão se dar bem. São agressivos e a maioria dos que devem ir sem máscaras às ruas dia 7 para apoiar a familícia, já que a vida comezinha deles também não lhes dá outras diversões além da beligerância com que tratam temas sociais ou de comportamento.

Agora surgem – o que até positivo é – os mais ou menos, que há dois meses preparam outra grande manifestação, mas para o dia 12: arrumadinhos, esses, entre eles muitos arrependidos com o apoio que deram a Bolsonaro em 2018, tentam consertar o que acabaram criando. Têm e mantém críticas aqui e ali a algumas decisões do Poder Judiciário, STF incluso, ao Congresso, se apresentam como centro e centrados, numa pauta confusa, e buscam uma pista, uma terceira ou quarta via, mas que tenha afinidade com a mão inglesa, direção à direita. Também prometem fazer barulho e são organizados.

Enfim, há opções para quase, ressalte-se, quase, todos os gostos. No dia 7 até com locais diferenciados para não se estranharem ainda mais.

Passando tudo isso pode ser que surjam novas brechas onde, então, poderemos – nós, o que ainda não acharam espaços confiáveis – nos encaixar.

Aí, então, será a primavera.

___________________________________________________

Marli GonçalvesMARLI GONÇALVES – Jornalista, consultora de comunicação, editora do Chumbo Gordo, autora de Feminismo no Cotidiano – Bom para mulheres. E para homens também, pela Editora Contexto.  (Na Editora e na Amazon). marligo@uol.com.br / marli@brickmann.com.br

___________________________________________

 (se republicar, por favor, se possível, mantenha esses links):
Instagram: https://www.instagram.com/marligo/
No Twitter: @marligo
Blog Marli Gonçalves: www.marligo.wordpress.com
No Facebook: https://www.facebook.com/marli.goncalves

4 thoughts on “Os nossos loucos (primeiros) dias de setembro. Por Marli Gonçalves

  1. PRIMOROSO teu artigo, Marli! Num oceano de águas turbulentas e desconhecidas, idiotas, semi-analfabetos e oportunistas, tentam embarcar outros tantos, num barco de papel, cujo comandante é genocida e cruel.
    Somente a verdade é revolucionária.

  2. Podem criticar o Judiciário. Tudo bem, o Judiciário erra. Podem criticar o Congresso. Tudo bem, o Congresso erra, a granel. Podem discordar disto ou daquilo, achar que tá tudo errado, defender direitos que outros rejeitam, ou não. Nada disso importa agora. Importa que há um assassino golpista, ditatorial, estúpido, rancoroso, fascistoide, neonazista, de um lado da história, e, de outro, haverá alguém que ao menos defenderá a democracia. Só isso importa agora. Seja Lula, seja Ciro, seja Doria, seja Alkmin ou Marina Silva, seja qualquer outro. O que importa é não permitir que o assassino que nos mata aos poucos, que mata a natureza, que mata a institucionalidade e a civilidade de nossa vida comum sobreviva às eleições de 2022. Aquilo não pode continuar! Aquilo não pode governar mais! Aquilo tem de ir em cana, porque é o que os golpistas ditatoriais e assassinos merecem. Ponto. Não importa se alguém votou errado em 2018. Votou errado e que agora conserte. Pode ter sido por desconhecimento, desaviso, convicção neoliberal, ingenuidade ou por raiva do PT. Não importa. Quem votar naquilo agora, anos depois de testemunharmos o que é (e o que não é) o governo daquilo, é tão assassino quanto aquilo. É tão golpista quanto aquilo. É tão antidemocrático e ditatorial quanto aquilo. Em 2018, o voto errado pode até ter sido culposo. Em 2022, será crime doloso! Quem votar naquilo, endossará o crime e sua repetição. Quem se ausentar do voto, ou anular em nome de pruridos moralistas que agora não têm mais cabimento e lugar, será tão criminoso quanto aquilo, que continuará e aprofundará a prática habitual de seus crimes. Que todo mundo pense bem no que vai fazer. O país está nas teclas da urna eleitoral. Qualquer um diante dela pode nos salvar ou acabar conosco.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Assine a nossa newsletter