PANTANOSAS

Eleições municipais: águas pra lá de pantanosas. Por Aylê Quintão

ELEIÇÕES MUNICIPAIS:

ÁGUAS PARA LÁ DE PANTANOSAS

AYLÊ-SALASSIÉ QUINTÃO

…As eleições no Brasil se transformaram-se em uma disputa por emprego público e em um espaço de enriquecimento de aparentados.  O candidato honesto, se existir, torna-se apenas mais um na multidão dos 540 mil inscritos no TSE…

PÂNTANO

As eleições municipais estão aí prontas para eleger novos prefeitos, vices e vereadores em 5.568 municípios. Tudo indica que não haverá avanços. Frases lapidares  de lideranças políticas consagradas em votos populares – “Eu não pretendo enganar  mais as pessoas” ou “Consegui desmontar a Lava Jato”- , dão uma ideia da imaturidade persistente da democracia brasileira – esse orgulho nacional-pequeno-burguês – , do baixo nível de compreensão do eleitorado e dos candidatos sobre a prática na política .

Informados precariamente sobre o tema ou ignorantes mesmo, 140 milhões de brasileiros vão ter a oportunidade, no dia 15 de novembro, de se defrontar, nas urnas, com milhares de enganadores célebres, corruptos liberados pela Justiça e um grande número de pessoas com dupla personalidade.  Eles estão aí desfilando diariamente no rádio, na tv, na internet, repetindo promessas delirantes e insanas, críticas e ameaças aos concorrentes.

Sem quaisquer constrangimentos, depois das investigações da Lava Jato terem revelado grande número de corruptos em seus quadros, o MDB, pediu registros para 44 mil candidatos no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O PT, nadando no financiamento público eleitoral, e o PSDB, com perfis similares ao do MDB, mas em processo de encolhimento, não ficam para trás. O PSD, surgido na eleição de 2016, inscreveu 38.975 candidatos; o Partido Progressista (PP), 37.745, ou seja, 30% a mais do que 2016. O Podemos (Pode), saltou de 10.280, em 2016, para 20.071, aumentou em 104,99% o número de candidatos inscritos. O PSL, Sociais Liberais, inscreveu 21.667, número 105,8% superior ao da eleição de 2016. O DEM (Democratas), que esteve para ser extinto, saltou de 10.583 inscritos na eleição passada para 32.536. Partidos tradicionais considerados de esquerda, encolheram. A Democracia Cristã lidera com uma redução de candidaturas: de 7.607 para 4.635. Caiu 39,07%.

Em 2020, conforme o Tribunal Eleitoral, houve um aumento de 27% no número de candidatos inscritos em relação às eleições anteriores. Em 2016, só nas 26 capitais estaduais foram registrados 18.934 candidatos a prefeito e a vereador. A eleição passou a ser, no Brasil, um paradigma para o jogo de interesses e da má fé. O campo é cada vez mais fértil para as virtuais polarizações. Os confrontos retóricos são vazios e os desmascarados sentem-se à vontade para fazer ameaça aos concorrentes em diversos municípios do interior.

Não emerge ninguém com competência específica preocupado com a queda constante da produção, com o aumento da inflação, com o crescente número de jovens e pais de família desempregados, nem com o equilíbrio fiscal nos orçamentos públicos, da União, dos Estados e dos Municípios. Para os políticos, o negócio é gastar. Não existem também projeções de futuro: parece não pertencer sequer a Deus.  Em 2021 já se espera um estouro das contas públicas e problemas gravíssimos para os governantes e para a população. A solução de todos os governos é a privatização do patrimônio público.

O quadro que aí está encobre uma distinção entre os agentes do mal e da maldade nos 5.568 municípios. Difícil apontar um defensor de uma união cidadã – a identidade de nacional está indo para o brejo – o Estado como instituição, e o destino das políticas públicas voltadas para o desenvolvimento e a justiça social.

A culpa é, sem dúvida dos dirigentes políticos encravados no Executivo, no Legislativo e no Judiciário. O STF libera criminosos conhecidos e condenados, afrontando a lei da Ficha Limpa. O Congresso aprova leis convenientes para deputados e senadores, e o Executivo se esconde atrás das crises para ignorar o abandono das políticas públicas. Tudo é cinicamente justificado com sendo o exercício da democracia que vai abrigando conveniências, interesses ideológicos e familiares. O cidadão comum não tem como reagir.

As eleições no Brasil se transformaram-se em uma disputa por emprego público e em um espaço de enriquecimento de aparentados.  O candidato honesto, se existir, torna-se apenas mais um na multidão dos 540 mil inscritos no TSE. Nesse cenário vagueiam celebridades identificadas com as vulgaridades da vida social. É uma quase perda de tempo o Manual do Prefeito para orientar a gestão municipal e os interesses públicos locais, em que milhares sobrevivem dos repasses feitos pela União. Ninguém tem medo do Tribunal de Contas, cujos membros nadam tranquilos nessas águas pra lá de pantanosas, nem se assusta com a nova presidência do Tribunal Eleitoral.

A que ponto a democracia nos conduziu. Conseguiu desarrumar o País e dividir a Nação em pequenos guetos particulares, sob a proteção dos partidos políticos. As eleições deste ano terão o maior número de concorrentes dos últimos 20 anos. Provavelmente, aproveitando a desculpa da disseminação da pandemia, vai-se ter também a maior abstenção de todos os tempos. É uma pena porque nem a abstenção, a única arma do eleitor, poupa-o de eleger uma nova safra de maus políticos. Tudo é contado proporcionalmente.

______________________________________

Aylê-Salassié F. QuintãoJornalista, professor, doutor em História Cultural. Vive em Brasília

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter