CONVERSAS DE 1/2 MINUTO

Conversas de 1/2 minuto (19). Por José Paulo Cavalcanti Filho

1/2 minuto

 Mais conversas da terrinha, em livro que estou escrevendo (título da coluna).

CRAVEIRO LOPES, presidente de Portugal. Em 24/06/1957, visitando o Recife, o general e sua mulher, Berta Lopes, foram recebidos, em jantar, no Palácio do Campo das Princesas. Entre convidados o presidente do Brasil, Juscelino Kubitschek. E Cid Feijó Sampaio, que poucos meses depois seria eleito governador de Pernambuco. Dando-se então diálogo que fez sucesso, nos jornais locais. Quando sua mulher, dona Dulce, impressionada com o belo colar da portuguesa, e só por querer ser simpática, perguntou

– Diamante?

E dona Berta

– De amante? Não, senhora, de Craveiro.

RENATINHO MAIA, empresário. Ligou para o restaurante–Café Inn, no estuário do Tejo,

– Presumo que estejam abertos, hoje.

– Claro. Se não estivéssemos, ninguém atenderia o telefone.

SILVIO MEIRA, gênio. Queria conhecer o Metro de Lisboa. Primeiro mundo, todos sabem. Não se diz Metrô, como o da França. Mas Metro, mesma pronúncia da medida de distância. História curiosa se deu quando ia ser inaugurado, em 1959. A direção contratou o grande poeta português Alexandre O’Neil para fazer seu slogan. Acertaram o preço, que foi pago. E O’Neil escreveu – Vá de Metro, Satanás. Que nunca foi usado, claro. Voltando a Silvio, na Praça Camões, precisava saber como poderia chegar lá. E perguntou, a um patrício que passava,

– Sabes onde fica o Metro?

– Sei, lá embaixo.

E foi embora.

MARCOS BORGES, professor titular de computação (no Rio). Saiu do Hotel do Chiado e perguntou, ao motorista de táxi,

– Podemos ir à Fundação Calouste Gulbenkian?

– Vamos.

Não disseram mais nada, o taxi logo chegou na Fundação e não havia ninguém por lá.

– Está fechada, o senhor sabia disso?

– Claro, hoje é terça-feira.

– E por que não disse antes?

– Porque o senhor não perguntou.

ONÉSIMO TEOTÓNIO ALMEIDA, da Universidade de Brown (Estados Unidos). Num restaurante da Madeira, famílias reunidas, perguntou ao escritor Baptista Bastos

‒ Dá-me licença que tire uma foto do casal?

‒ Claro, mas deixe-me pôr um ar inteligente na face.

‒ Não se preocupe, eu depois retoco a foto.

ZIRA DE SANTIAGO, baronesa. Por ocasião da morte de dona do Carmo

‒ Pêsames, Lectícia.

‒ Obrigado.

‒ Soube que sua mãe foi incinerada (no Brasil seria cremada).

_______________________________

Não deixe de ler:

José Paulo Cavalcanti FilhoÉ advogado e um dos maiores conhecedores da obra de Fernando Pessoa. Integrou a Comissão da Verdade. Vive no Recife. Acaba de ser eleito para a Academia Brasileira de Letras, cadeira 39.

jp@jpc.com.br

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Assine a nossa newsletter