posse- jpc

Discurso de Posse. Por José Paulo Cavalcanti Filho

José Paulo Cavalcanti Filho tomou posse na cadeira de número 39 da Academia Brasileira de Letras em 10 de junho de 2022. Esse foi o seu discurso inicial, publicado no mesmo dia

discurso de posse jpc
José Paulo com a esposa, Lecticia

 

DISCURSO DE POSSE

 “Academia nova é como religião sem mistérios, falta-lhe solenidade”, lembrava Joaquim Nabuco em seu Discurso de Posse nesta Academia Brasileira de Letras. E concluiu “As Academias precisam de antiguidade”. Precisam mesmo. De antiguidade, tradição e memória. “O povo há de elevar-se pelas tradições” (Alexandre Herculano, Carta a Magesai Tavares) e “sem memória não existimos” (Saramago, Cadernos de Lanzarote). Mais que esforço de uma geração, a partir de conhecimentos que, com o passar dos anos, vão se acumulando. Somos “anões nos ombros de gigantes”, como na célebre imagem de Bernard de Chartres, depois aproveitada por tantos escritores – desde Montaigne até Monteiro Lobato. O futuro nos ombros do passado. Desde o início dessa caminhada entendendo, junto com Orwell (1984), que “quem controla o futuro controla o presente e quem controla o passado controla o futuro”. Como se tudo fosse prenúncio de algo maior que já se pode pressentir e permanece, entranhado em nossas carnes. “Esse pó que fica nos livros, o pó do tempo” (Eduardo Lourenço, entrevista à Agência Lusa). Um culto que é importante, sobretudo, por ser parte de quem somos, o muito feito e o tanto ainda por fazer.

A obra do homem nasce na solidão. “Sem solidão escrever não se produz”, dizia Marguerite Duras (Escrever). Proust sentiu isso (À sombra das raparigas em flor), a “reclusão é mais forte que qualquer outro sentimento”. Só que, uma vez no mundo, essa obra deixa de pertencer ao autor. Passa a ser de todos. E é nessa aparente oposição, entre gestos solitários e ações coletivas, que as academias vão sendo construídas. Por não se fazer com pessoas isoladas, ainda que preparadas e especiais. Fernando Pessoa definiu, com precisão, “Um barco parece ser um objeto cujo fim é navegar; mas o seu fim não é navegar, senão chegar a um porto” (Bernardo Soares, Livro do desassossego). E lembro dessa metáfora dos navegadores antigos ao refletir sobre nossa Academia. Que seu fim, em palavras de Merval Pereira quando assumiu a presidência da Casa este ano, sobretudo seria “distribuir conhecimento”. É nosso melhor Destino. E se faz em comunhão. Todos juntos. A própria razão de haver determinado, o art. 22 do Regimento Interno, que, nos discursos de posse, o novo Acadêmico “apreciará a personalidade e a obra dos patronos e dos antecessores”. Não pretendo me afastar dessa liturgia. Aqui estão, pois, alguns companheiros de ontem.

P.S. Início do Discurso de Posse na Cadeira 39 da Academia Brasileira de Letras – que lerei, hoje, às 21:00 hs. Nas colunas seguintes, seguem umas poucas lembranças sobre anteriores ocupantes da Cadeira 39.

 

VEJA COMO FOI A CERIMÔNIA:

Cerimônia de Posse do Acadêmico José Paulo Cavalcanti Filho

 

____________________________________________________________

José Paulo Cavalcanti FilhoÉ advogado e um dos maiores conhecedores da obra de Fernando Pessoa. Integrou a Comissão da Verdade. Vive no Recife. Eleito imortal para a Academia Brasileira de Letras, cadeira 39.

jp@jpc.com.br

 

____________________________________________________________________________

FOTOS MARLI GO

1 thought on “Discurso de Posse. Por José Paulo Cavalcanti Filho

  1. Parabéns! Sendo sua leitora, fiquei emocionada ao ver a sua foto de fardão e a senhora Letícia ao seu lado. Será prazeroso ler o seu discurso de posse nas próximas semanas e acompanhar aspectos das biografias de seus antecessores da Cadeira 39 da Academia Brasileira de Letras.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Assine a nossa newsletter