Ansiedade e Tráfego. Por Meraldo Zisman

ANSIEDADE E TRÁFEGO

MERALDO ZISMAN

… Como psicoterapeuta, tenho notado a procura de motoristas com um tipo de ansiedade relacionada ao ato de dirigir. Ansiedade ao volante…

A ansiedade causada pelo atravancamento caótico do tráfego nas grandes cidades brasileiras, associado às péssimas condições estruturais das ruas, vias, avenidas e educacionais dos motoristas, acrescido dos motoqueiros e agora também ciclistas, além dos pedestres desavisados é, no mínimo, considerável.
As tragédias provocadas por acidentes de tráfego, quando perto da gente, são mais atemorizantes do que repetir o cansado refrão “os feridos e mortos na denominada de Guerra do Tráfego no Brasil causam maior número das baixas, anualmente, que todas as advindas dos combatentes norte-americanos durante a Guerra do Vietnã”.
O Vietnã é um país que se localiza na Indochina, no extremo leste do continente asiático, longe da minha casa e os soldados norte-americanos também são lá de longe, do Hemisfério Norte. O Brasil fica no Hemisfério Sul…
 No fim do mês de novembro , no cruzamento da Avenida Rosa e Silva com a Rua Padre Roma (Recife), pertinho do apartamento onde moro, um carro em disparada terminou arrastando várias pessoas de uma mesma família, incluindo duas crianças e dois adultos, sendo que uma era a babá grávida de 3 meses.
O suspeito (escrevo assim para ser politicamente correto, apesar de o motorista causador da tragédia ter sido preso em flagrante) era um jovem de 25 anos, estudante de engenharia e, segundo noticiam, viciado em drogas. Alcoolizado e bombado por alguns comprimidos de Rivotril® (clonazepan), medicamento este de tarja preta (exige receituário médico para sua venda), indicado para o tratamento de crises epiléticas, espasmos infantis, transtornos de ansiedade e de humor, síndromes psicóticas, síndrome das pernas inquietas e da boca ardente e no tratamento de vertigens e distúrbios do equilíbrio, em adultos e crianças. Afirmam (não tenho estatística e não sei onde encontrá-la, embora tenha procurado na internet), que os ansiolíticos e psicotrópicos em geral apresentaram consumo incrementado entre os políticos e grandes empresários, especialmente em Brasília.
Voltando ao ocorrido: apesar de a tragédia familiar ter acontecido fora do eixo Rio e São Paulo, foi tamanha a crueldade que aconteceu que foi noticiada também pelo Jornal Nacional da Globo e outros.
 Como orientei algumas teses e dissertações de mestrado, oficial ou oficiosamente de Prevenção de Acidentes na Infância, chamar tal ocorrência de “acidente” é esquecer que o significado do vocábulo acidente (acontecimento casual, fortuito, imprevisto) foi, há muito tempo, descartado tecnicamente, pois compreendemos que dramas desse tipo são causados na maioria das vezes, pelo somatório das mais diversas causas, todas atuando concomitantemente em um dado espaço de tempo.
Não adianta usar bafômetros, pois o uso de substâncias psicotrópicas licitas ou ilícitas não são detectados por esse tipo de aparelho.

Vamos refletir como podemos reduzir a nossa morbimortalidade causada pela imprudência no tráfego brasileiro, melhorando os equipamentos do sistema rodoviário e – principalmente – a perícia e o cuidado dos condutores.

Conto isto por dois motivos. Primeiro: Recordo-me quando bolsista na Inglaterra (1964/1965/1966) que, se quiséssemos dirigir automóvel na  Espanha, naquele tempo um dos países mais fazedores de vitimas do tráfego, o meu seguro de vida inglês, para me dava cobertura nesse caso, cobrava uma taxa adicional pelos dias que eu passaria naquele país peninsular. O valor do meu seguro sofreria um acréscimo a ser pago em banco espanhol por um dia a mais da estada prevista. Teria no caso o segurado, eu, de fazer novo deposito bancário ainda em território espanhol. Bom lembrar que a polícia espanhola é severíssima quanto a infrações ocorridas e o resultado desta política de tolerância zero fez esse país voltar a estatísticas comparáveis com as da Alemanha e outros países de Europa. Segundo: Como psicoterapeuta, tenho notado a procura de motoristas com um tipo de ansiedade relacionada ao ato de dirigir. Ansiedade ao volante.
Para concluir este artigo vênia para filosofar* e sugerir: Não tornar permitido passar dos 40 quilômetros por hora nas regiões metropolitanas. Não vai custar nada a ninguém e bastam umas placas e radares.
Não sei o motivo, mas neste momento em que escrevo, lembrei-me da poetisa chilena Gabriela Mistral (1899-1957) ganhadora do Prêmio Nobel de Literatura (1945) e de seu poema, cujo título é Hoje: “Somos culpados de muitos erros e faltas/porém nosso pior crime/é  o abandono das crianças/negando-lhes a fonte/da vida. Muitas das coisas/ de que necessitamos/podem esperar. A criança não pode. Agora é o momento em que seus ossos estão se formando/seu sangue também o está/e seus sentidos/estão se desenvolvendo/E nós não podemos responder “amanhã” / Seu nome é hoje” …
Vamos refletir como podemos reduzir a nossa morbimortalidade causada pela imprudência no tráfego brasileiro, melhorando os equipamentos do sistema rodoviário e – principalmente – a perícia e o cuidado dos condutores.
Para terminar digo: A maior ou menor duração da pena de quem dirige alcoolizado ou dopado não devolverá a vida de ninguém. Certas coisas necessitam também de uma operação Lava Jato – e não somente dos veículos. Lembrei-me agora a causa de repetir esta poesia: da tragédia ocorrida perto da minha casa havia crianças e uma delas ainda não nascida…

* “Viver sem filosofar é o mesmo que ter os olhos fechados sem nunca os haver tentado abrir”.

René Descartes (1596-1650). 

Vale a pena essa série. 
Clique nos links e Leia os outros artigos do autor sobre o tema ANSIEDADE:
Nova causa de ansiedade nos idosos. Por Meraldo Zisman
Ansiedade do Recalcado.Por Meraldo Zisman
Ansiedade e Inveja. Por Meraldo Zisman
Ansiedade e desemprego. Por Meraldo Zisman
Ansiedade e Médicos. Por Meraldo Zisman
Em defesa de certa ansiedade. Por Meraldo Zisman
Ansiedade e prêt-à-porter. Por Meraldo Zisman
Será? (Epidemiologia da Ansiedade). Por Meraldo Zisman
Judicialização (ansiedade profissional). Por Meraldo Zisman
Ansiedade e consumismo. Por Meraldo Zisman
Ansiedade generalizada. Por Meraldo Zisman
Ansiedade e Crise Nacional. Por Meraldo Zisman
Ansiedade. Perguntas que não devem/podem ser feitas. Por Meraldo Zisman
 ____________________

23/02/2011. Credito: Cecilia de Sa Pereira/DP/D.A Press. Recife/PE. Vida Urbana. Materia sobre a visita do presidente nacional da Associacao dos Diplomados da Escola Superior de Guerra, o brigadeiro Helio Goncalves a sede dos Diarios Associados PE. O brigadeiro esteve acompanhado pelos senhores Eudes Souza Leao e Meraldo Zisman (NA FOTO).

Meraldo Zisman – Médico, psicoterapeuta. Foi um dos primeiros neonatologistas brasileiros. Consultante Honorário da Universidade de Oxford (Grã-Bretanha). Vive no Recife (PE).

 

About

Brickmann & Associados Comunicação - B&A / Tel. (11) 3885-6656 / www. brickmann.com.br / E-mail: contato@chumbogordo.com.br / Twitter: twitter.com/ChumboGordo / Facebook: facebook.com/chumbogordo

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.